A tecnologia muda rapidamente e pode ser difícil para os programas acadêmicos acompanharem o ritmo. Ainda assim, se os alunos de ciência da computação contribuírem significativamente para o campo da tecnologia, seja na indústria ou em pesquisas, é fundamental que aprendam habilidades modernas de computação. Estes são os cinco assuntos que as instituições de ensino superior devem ensinar:

Oracle Academy é parceiro estratégico do Virtual Educa.

1. Programação Paralela. As faculdades e universidades ainda ensinam seus alunos a programar sequencialmente -programas que executam instruções uma após a outra- como há décadas. Os ambientes de computação modernos e os conjuntos de dados massivos exigem não apenas que processemos várias instruções simultaneamente em vários servidores (computação distribuída), como também que os programas possam processar várias instruções simultaneamente em chips multicore em vários servidores e dispositivos.

2. Programação Verde. Quanto mais pedimos aos nossos dispositivos inteligentes, mais energia eles precisam e mais rapidamente eles esgotam as baterias. A arquitetura de um programa de software afeta diretamente a quantidade de energia necessária para executá-lo, mas poucos programas de estudos ensinam os alunos sobre esse relacionamento. É imperativo que escrevam programas otimizados para energia. Os alunos não poderão fazê-los se não os ensinarmos.

3. Desenvolvimento Colaborativo. As universidades persistem em tentar medir o que cada estudante sabe. Na maioria das aulas de programação, os alunos começam a partir de uma tela em branco e escrevem código limpo de forma independente ou, com menos frequência, com um colega. Mas não é assim que os programas são projetados no mundo real. Os engenheiros de software profissionais, quase sempre começam com o código de outra pessoa e trabalham em colaboração com grandes grupos para modificar, melhorar e corrigí-lo, que é então integrado ao código que está sendo escrito por outros engenheiros de outros grupos.

4. Arquitetura de Hardware. A computação funciona e avança com base em todo o sistema: desde a fonte de energia até a interface com o usuário, e os alunos terão mais sucesso se souberem abrir o gabinete e inspecionar o interior. Eles poderiam então otimizar a eficiência energética e escrever códigos paralelo que façam uso de novas arquiteturas de hardware; gerenciar o armazenamento em cache, arquitetura de memória e problemas de alocação de recursos; e até mesmo explicar e explorar a computação quântica. A ciência da computação não é apenas software ou codificação. Os estudantes também precisam de fundamentos na arquitetura de hardware, incluindo engenharia elétrica e física.

5. História e Ética do Computador. A computação não é neutra. Pode ser usada para o bem ou para o mal; para ajudar pessoas ou para manipulá-las e prejudicá-las. O poder da computação é tão grande que precisamos de políticas para regulá-lo e administrá-lo, com a finalidade de proteger e beneficiar as pessoas. É importante que os alunos de computação entendam sua história e façam cursos baseados em ética, para que possam tomar decisões responsáveis e orientar os outros.

Mesmo em um currículo que pareça completo, precisamos garantir que os alunos estejam adquirindo as habilidades e os conhecimentos necessários para se tornarem inovadores, líderes de negócios e bons contribuidores para a sociedade no mundo. Esta lista é apenas um ponto de partida.